MODA SEM PROTOCOLOS | GS one | Roupas Ecológicas

MODA SEM PROTOCOLOS

05/07/2019

A nossa roupa fala muito sobre quem nós somos e sobre a nossa personalidade.

 Vestir-se é uma escolha e passa muitas mensagens, tanto que a indústria da moda é uma das mais lucrativas que existem. Por muito tempo, haviam definições bem claras de gênero dentro da moda e isso tem se tornado algo cada vez menos relevante. Na moda em si há definições bem claras baseadas em definições de gênero. Mas as barreiras em relação a isso têm muito mais relação com conceitos impostos pela sociedade. Bem diferente da adaptação das marcas a diversidade de tipos de corpos por exemplo, levando em conta que a pluralidade dos tamanhos humanos vai muito além de um comum tamanho 36. Os padrões tem mudado e as marcas tem aceitado melhor um termo muito popular nos dias atuais: Representatividade. Estamos passando por uma fase de adaptação onde o que é diferente é aceito e o incomum passa a não ser mais apontado. Então nada mais justo do que olhar pra peças de roupa que se adaptam as diferenças físicas dos corpos e dizer que elas não possuem gênero.


                A moda evolui com o tempo e sociedade e dentro de suas fases, já houveram períodos onde ela ditava por exemplo, o formato de corpo feminino ideal. Hoje, já buscamos muito mais da moda do que apenas vestir nossos corpos. Se vestir é um ato político (como diz Ronaldo Fraga) e atualmente, nós somos engajados e buscamos nos vestir com marcas que tenham conceitos que se alinhem com o que nós almejamos transmitir. A moda passa a não ser apenas uma relação de compra e venda, mas com o advento da internet, nós passamos a ter uma relação pessoal com as marcas e com a forma como elas se posicionam. Na internet, passamos a pesquisar pelas marcas e com ela, vem a exposição de notícias, como por exemplo, marcas que exploram seus funcionários na relação de trabalho, escravidão, estampas com temas questionáveis e seus posicionamentos políticos e sociais. Hoje em dia nada mais passa despercebido aos olhos dos consumidores. Além disso, a moda reflete muito do que nós estamos buscando. Seja através da quebra de paradigmas de gênero ou ao se vestir com pensamento sustentável, considerando o meio ambiente na escolha do material das peças, essas questões nunca foi tão abordadas como são hoje e com certeza isso reflete as mudanças sociais que vivemos.

                Uma dessas mudanças é por exemplo, ver peças que podem ser usadas por diferentes corpos como versáteis. E com isso ganhamos a possibilidade de usar roupas sem fazer a distinção de gênero. Como por exemplo, a moda boyfriend onde as mulheres usam peças mais largas, possibilitando a busca por peças independente do rótulo de serem masculinas. Isso começa a dar a visão de que dá para adaptar peças originalmente criadas com o intuito de vestir corpos masculinos em looks que podem ser usados por um corpo feminino de uma maneira despojada e confortável. O contrário também já acontece, por exemplo, quando Christian Siriano vestiu Billy Porter para o Red carpet do Oscar 2019 com um vestido de veludo preto onde a parte superior é feita de terno e a parte inferior é uma saia, passando por cima dos protocolos invisiveis que criamos do que é uma roupa feita para ser vestida por um homem.


Billy Porter vestindo Christian Siriano no Red Carpet do Oscar 2019. (Getty Images)

                Há de se comentar também a questão das cores. Quando tratamos disso, ressaltamos que o senso comum sempre definiu certas cores como femininas e masculinas. Mas essa é mais uma barreira de gênero que tem sido transposta, trazendo discussões pertinentes até para o âmbito político, que tem se refletido dentro da sociedade e das produções da indústria da moda. Tudo isso vem de uma forma muito pertinente modificando as estruturas nas diversas esferas da sociedade e trazendo a tona termos como gender fluid e não binário, termos com os quais ainda não estamos habituados mas que com os quais com certeza nos familiarizaremos num futuro próximo. Então tenhamos a liberdade de expressar quem nós somos das maneiras mais criativas possíveis, inclusive na hora de se vestir.

Voltar